Mulheres em Destaque no Sertanejo

Historicamente a  presença das mulheres na música sertaneja sempre se deu de forma tímida e esporádica, apoiada mais no talento individual do que numa busca coletiva por espaço, como era o caso das Irmãs Galvão e Inezita Barroso, Roberta Miranda e  não muito  distante Paula Fernandes. Porém esse cenário vem se modificando e no ano passado (2016), segundo apurações feitas pela Crowley Broadcast Analisys (emprese que monitora execuções de músicas dos artistas nas rádios) das 100 músicas mais executadas naquele período nas rádios brasileiras, 12 são de vozes femininas, dando destaque a música Infiel da cantora Marilia Mendonça  que alcançou a segunda posição geral, tendo um total de 67924 execuções em várias  rádios do Brasil.

Além da rainha da sofrência (“titulo” conferido a Marilia Mendonça pelos fãs), ganham destaque na lista as gêmeas Maiara e Maraísa, as também irmãs Simone e Simaria, Paula Mattos, Naiara Azevedo e Paula Fernandes.

Maiara e Maraísa 

As gêmeas natural de  São José dos Quatro Marcos (MT), cantam desde pequenas, mas foi a composição que as fez ser notadas por expoentes do novo sertanejo como Jorge & Mateus e Cristiano Araújo, que gravaram, respectivamente, “Prisão sem grade” e “Caso indefinido”.

— Independentemente de ser mulher, o que faz a dupla é o repertório — enfatiza Maiara. — Era difícil, no mundo masculino do sertanejo, achar uma música que falasse da nossa realidade, por isso começamos a escrever a nossa história. Quase sempre o que chegava eram letras enaltecendo os homens.

Uma das exceções mais executadas no repertório da dupla em 201116 foi a música “Medo bobo” de autoria Juliano Tchula, Maraisa, Vinicius Poeta, Junior Pepato e Benicio Neto ficando na 5° posição nas mais tocadas nas rádios do Brasil

Não curto muito esse trem da cachaça, mas minha irmã é mais espertinha e se apaixonou pela música — conta Maiara.

 

Simone e Simaria

A dupla começaram a cantar ainda crianças, em Uibaí, na Bahia, onde nasceram. Com dificuldades  financeiras (e a morte do pai) as levaram para Mato Grosso e São Paulo, onde Simaria (“o maior talento para composição da dupla”, diz a irmã) passou a trabalhar com Frank Aguiar.

— Essa modernização que o sertanejo sofreu nos últimos anos pegou do forró. Sertanejos e forrozeiros passaram a gravar músicas uns dos outros — conta Simone. — Nossas letras falam das coisas pelas quais as pessoas passam, é o que o povo quer ouvir.

“Meu violão e o nosso cachorro” foi feita por Simaria com o parceiro Nivardo Paz “num momento de sofrência dos dois”, conta Simone. É o maior sucesso do DVD “Bar das coleguinhas”.

Marília Mendonça

Nascida em Cristianópolis (GO), ela começou a compor aos 12.

Eu cantava na igreja, mas não era tão boa naquilo. Então, comecei a escrever num caderninho as minhas histórias com namoradinhos e entrei para uma aula de violão. Com os quatro acordes que aprendi fiz minha primeira música. Era “Minha herança”, que foi gravada pela dupla João Neto & Frederico — conta. — Sempre tive vontade de cantar, mas tinha muito medo de acabar fazendo uma carreira de um CD só.

Autora do hit “Faça ela feliz (Cuida bem dela)”, de Henrique & Juliano, Marília lançou seu primeiro DVD só em 2015:

Eu sabia que tinha que conquistar as mulheres, são elas que lotam os shows de sertanejo. Preciso que elas se identifiquem com as músicas, dizer o que elas querem ser, como querem se comportar.

Paula Mattos

Hoje há menos barreiras do que na época da Roberta Miranda e na da Paula Fernandes. O mercado do sertanejo veio se abrindo para as mulheres no último ano, a gente tem que aproveitar — observa Paula Mattos, artista nascida em Campo Grande (MS) há 26 anos. — Componho desde os 12 anos e canto desde os 15. Minhas músicas não são femininas, não é só papo de mulher ou papo de homem, é geral. Não fico pensando no artista para quem vou compor, eu só deixo a música vir. Não tem tanta diferença, você tem que falar a sua verdade.

Gravada por Gusttavo Lima (“Doidaça”), Marcos & Belutti (“Irracional”) e Henrique & Juliano (“Separa, namora”), Paula dá os seus primeiros passos na carreira de intérprete com muita cautela.

A sofrência está em alta, mas tem que tomar cuidado. Acho que a mulher tem que se valorizar, ser feliz. Ela quer curtir, ela quer beber, quer viver uma sofrência legal — diz.

 

Confiram as musicas  mais tocadas nas radios  em 2016 que tiveram como protagonistas as mulheres:

2°Lugar – INFIEL – MARILIA MENDONÇA

5° Lugar MEDO BOBO – MAIARA & MARAÍSA

8° Lugar 50 REAIS – NAIARA AZEVEDO Part.MAIARA & MARAÍSA

18° Lugar 10% – MAIARA & MARAÍSA

24° Lugar QUANDO O MEL É BOM – SIMONE & SIMARIA

38° Lugar 126 CABIDES – SIMONE & SIMARIA

50° Lugar PIRACAO – PAULA FERNANDES

73° Lugar MEU VIOLAO E O NOSSO CACHORRO – LIVE SIMONE & SIMARIA

100° VOCE FAZ FALTA AQUI – MAIARA & MARAISA

Youtube
Publicidade